html

TEXTO

Pesquisar neste blogue

quinta-feira, agosto 10, 2006

Mas afinal será que uns são mais importantes que outros?

Torres Novas, Correios, quinta-feira, dez de Agosto, dez e meia da manhã e um calor que dispensa qualquer engraçadinho.

Num dia tão quente como os últimos, decidi ir aos correios selar e enviar uma carta, que já andava na mala há alguns dias. A caminho do emprego e já um pouco atrasada, resolvi parar nos correios para resolver esta tarefa. Procurei um lugar de estacionamento (coisa que não é lá muito fácil a esta hora da manhã) e só à terceira tentativa (depois de algumas inversões de marcha e de olhar para um lugar apertado que apanhava a passadeira) encontrei um que – pensei – não me daria chatices com a autoridade.
A caminho dos correios reparei que parava no lugarzinho que eu tinha visto, apanhando a passadeira e de forma bastante pouco preocupada, um automóvel com dois agentes da autoridade. Entrei nos correios e uma miúda que aguardava os pais com um sorriso de verão nos lábios e envergando, de forma orgulhosa, um vestido de flores informou-me rapidamente que “a máquina das senhas não trabalha”. Dirigi-me para a fila imensa para aguardar a minha vez e reparei que atrás de mim tinha entrado um dos agentes que eu vira parar o carro lá fora. Não se colocou na fila e começou a rodear os balcões na esperança – talvez – de que alguém lhe fizesse uma vénia e o atendesse de imediato. Como tal não aconteceu, esperou de forma impaciente que um senhor terminasse de ser atendido. Enquanto isso o casal à minha frente começou, entre dentes e baixinho – e sim e porque isto de confrontar um agente da autoridade pode ser sinónimo de chatices – a comentar o facto do Sr. Agente ter saído da fila. Comentaram, generalizando, que alguns polícias não fazem nada, do caso de uma mota que foi encontrada por civil, enquanto a polícia a procurava, do facto de uma vez para fazer uma queixa, alguém na polícia ter dito que não valia a pena, pois dava muito trabalho e pouco resultado, enfim arrasaram o sistema da autoridade, embora apenas eu os ouvisse. Finda esta conversa, reparei que o Sr. Agente já estava cada vez mais impaciente e preparava-se para exercer a sua autoridade, quando o balcão ficou livre. A funcionária dos correios, fingindo não ter visto o que se passa, perguntou: “Quem está a seguir?”, pergunta que o agente nem respondeu, dirigindo-se de imediato para o balcão. Naquela altura, os cochichos começaram a ouvir-se, mas apenas eu questionei em voz alta o facto do agente tinha entrado depois de mim e que por isso deveria esperar pela sua vez. Muito admirado, olhou para mim e disse-me que era uma agente da autoridade e estava de serviço. O resto nem vale a pena contar, a verdade é que ele foi atendido e saiu da estação primeiro que todos os que esperavam pela sua vez. Como tento ser uma pessoa mais positiva, e até estamos no verão, tento ver nestas pequenas coisas do dia a dia ensinamentos que possa um dia transmitir. Assim, conclui que em Agosto, em Torres Novas, os únicos que trabalham são os agentes da autoridade – embora os vejamos tão pouco. Aprendi com isto que uma farda dá direito a ser atendido imediatamente – tenho de procurar a farda do meu pai quando ele trabalhou na marinha, talvez a minha vida seja mais facilitada, quando tiver de me dirigir aos serviços públicos…. Aprendi também que o poder exerce-se até numa fila dos correios, pois se eu posso, eu quero… Aprendi que há uns que se fazem parecer mais importantes que outros, quando deveriam dar o exemplo da boa convivência, da tranquilidade e da segurança… Aprendi que as forças de segurança podem parar quase em cima da passadeira, para irem aos correios… Aprendi que as forças de segurança – segundo o mesmo agente da autoridade – têm um protocolo com os correios para serem rapidamente atendidos. Pena que nos correios ninguém saiba de nada, será que foi assinado apenas por uma das partes…. Aprendi que são os agentes de giro que fazem trabalho de estafetas…. E aprendi que neste país qualquer um, se puder passa à frente dos outros.

Fim de semana cívico...

Sexta-feira 04 de Agosto, 21h50, sala de cinema do Torreshopping em Torres Novas
Eu exijo o regresso da figura mítica do “fiscal” nas salas de cinema que vinha com a sua lanterna não só indicar os lugares aos espectadores, mas também – e muito importante – colocar alguma ordem na sala.
Caramba, que falta de bom senso! Aluguem um DVD e comam tudo o que quiserem em casa, mais, podem rir a gritar e falar durante o filme que ninguém repara…
Já não se pode assistir a um filme calmamente, é incrível como as pessoas conversam como se estivessem num café, é incrível como se esforçam para ganhar o concurso do “riso mais estúpido”!
Mas mais triste do que esta falta de civismo, fico eu quando penso que se alguém por acaso repreendesse estes “putos” geração X, o seu ego viria rapidamente ao de cima com uma resposta tipo “ninguém me manda calar!” ou “quem é você para dizer isso”…

Sábado, Jornal da Noite na SIC, rubrica Nós por Cá

Isto é tão incrível que quase nem acredito...
Mulher multada em 356€ por colocar saco de papel fora do ecoponto qdo este estava cheio!
Vejam voçês mesmo:
http://sic.sapo.pt/online/noticias/sic+tv/nos+por+ca/nosporca_oprecodolixo.htm


Domingo, 19h00, Barquinha Parque em Vila Nova da Barquinha
Estava eu descansadinho a usufruir desta bela iniciativa que é a Internet sem fios com acesso grátis no parque da Barquinha, quando me deparo com mais dois infelizes exemplos de falta de civismo…
Pelo nível do som, até perguntei à minha “mais que tudo” se havia alguma discoteca ao ar livre ou mesmo algum concerto ali no parque… Mas não, eram simplesmente 3 simpáticos e energéticos Brasileiros com umas colunas gigantescas montadas na mala do carro a debitar música para que todo o parque pudesse regozijar com aquele som. E não é que até dançavam e tudo? Isto sim, é a alegria do povo Brasileiro, pá! São muito mais “open minded” que nós, isso é uma verdade! Mas outra grande verdade é que num espaço público eu não tenho que ouvir a música deles pois não? Ok, é público, somos livres, nada os impede de testar a potência das colunas para ver se no Entroncamento alguns compatriotas os ouviam…. Bah!!!!! Quase que me apeteceu por o meu modesto auto-rádio no máximo com Rammstein…. O bom senso impediu-me, como deveria tê-los feito baixar o nível do rádio; dançar, que dancem à vontade…
Nada como a justiça pelas próprias mãos. Ainda me vão achar meio xenófobo, mas hoje o dia foi assim, o que querem… Então não é que também estavam a presenciar o mesmo espectáculo “verde e amarelo”, dois jovens descendentes de imigrantes no seu bmw típico. Não posso precisar esta última informação, mas se bem me entendem, sabem que esta tribo é facilmente identificável… adiante… Provavelmente aborrecidos pelo som como a maioria das pessoas, estes 2 não se ficaram pelos comentários e passaram à acção dando eles próprios mais um bom exemplo de falta de civismo. Vai daí que ao passarem lentamente pelo local onde os Brasileiros festejavam (com geleira e tudo!), aceleram a fundo, fazendo um peão na areia que deixou uma nuvem de pó imensa como presente envenenado para os 3 “dançarinos”. Lindo!
Não, isto não se faz, conseguiram ser mais cromos que os Brasileiros…
Aqui tive que ficar do lado do povo irmão, quer dizer, rádio alto é uma coisa; estupidez pura é outra... enfim

segunda-feira, agosto 07, 2006

Porquê?

E porque não?
Por vezes apetece-nos exprimir as nossas opiniões...
Apetece reclamar e exigir um país melhor...
Apetece expôr ideias e sonhos...
Apetece evidenciar o que está mal e denunciar injustiças...

Número total de visualizações de página